Artigos

Breve ensaio sobre a economia japonesa e sua relação com o Brasil

Tags: Relações Brasil-Japão , Comércio Bilateral , Economia Japonesa

Atenção! O artigo não pode ser utilizado total ou parcialmente.

Silvio Miyazaki
Professor Doutor de Economia da Universidade de São Paulo na Escola de Artes, Ciências e Humanidades. Doutor em Economia pela Fundação Getúlio Vargas-São Paulo. Foi pesquisador visitante na University of Tokyo com bolsa da Fundação Japão.  É autor do livro “As origens do investimento japonês na Ásia”.

RESUMO:
Apesar da economia do Japão não ter o mesmo destaque na grande imprensa e na academia tal como em décadas anteriores, ainda é uma economia com uma renda alta, com elevado padrão de vida, tecnologicamente sofi sticada e com um grande estoque de capital real. É importante estudá-la, pois um choque na sua economia doméstica pode afetar a economia mundial, tal como a destruição causada pelo tsunami. Neste artigo, cujo objetivo é oferecer uma visão abrangente da economia japonesa ao leitor pouco familiarizado com essa disciplina, há a comparação da economia japonesa frente a algumas outras, o impacto econômico do triplo desastre (tsunami, terremoto e usinas nucleares) e as relações comerciais do Brasil com o Japão.
PALAVRAS-CHAVE: economia japonesa; comércio bilateral; relações Brasil-Japão.

Atenção! O artigo não pode ser utilizado total ou parcialmente.

Artigos relacionados

  • Reflexões sobre Oralidade em Contexto Bidialetal: o Uso da Língua Portuguesa Falada por Crianças Brasileiras no Japão

      Noemia Fumi Sakaguchi – Doutoranda em Educação na Universidade de São Paulo. Mestre em Línguística Aplicada pela Universidade Estadual de Campinas (2010). Trabalha com ensino e aprendizagem de idiomas: língua portuguesa e língua inglesa. Foi pesquisadora visitante na Aichi University of Education (2015-2016) como bolsista da Fundação Japão.   RESUMO: Ao desenvolver nosso projeto

  • Legados de 120 Anos de Relações Brasil-Japão

    Alexandre Ratsuo Uehara – Diretor Acadêmico das Faculdades Integradas Rio Branco (FRB). Mestre(1995) e Doutor em Ciência Política pela Universidade de São Paulo(2001). Foi pesquisador visitante na Universidade Keio (1993) e na Universidade Sophia (1999-2000) como bolsista da Fundação Japão. Membro do Corpo Docente do Programa de Pós Graduação em Língua, Literatura e Cultura Japonesa

  • A relação entre as eras Showa e Heisei e os desafios econômicos do Japão atual

    Leonardo Correia – Professor de economia da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Doutor em economia pela Fundação Getúlio Vargas – São Paulo. Foi pesquisador visitante na Universidade de Kobe com bolsa Fellowship da Fundação Japão em 2013.   RESUMO: Observar as características da mudança estrutural na economia japonesa sofrida durante a transição entre os

  • Inserção internacional do Japão e do Brasil no século XXI

    Alexandre Ratsuo Uehara Mestre e Doutor em Ciência Política pela Universidade de São Paulo. Foi pesquisador visitante na Universidade Keio (1993) e na Universidade Sophia (1999-2000), ambos como bolsista da Fundação Japão. Atualmente é Diretor Acadêmico das Faculdades Integradas Rio Branco (FRB) e Membro do Grupo de Análise da Conjuntura Internacional/USP – responsável pela área

  • O crescimento econômico e os investimentos diretos japoneses no Brasil. (Economic growth and the Japanese direct investments to Brazil.)

    Alexandre Ratsuo Uehara Presidente da Associação Brasileira de Estudos Japoneses Professor nas Faculdades Integradas Rio Branco e Universidade São Marcos Membro do Grupo de Conjuntura Internacional da Universidade de São Paulo RESUMO: O trabalho buscar trazer uma avaliação do ambiente econômico brasileiro sobre os fluxos de investimentos diretos estrangeiros (IDE) japoneses ao Brasil, com o

  • O comércio bilateral Brasil-Japão: passividade no contexto do novo regionalismo asiático.

    Silvio Miyazaki Professor do Departamento de Economia da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo RESUMO: Se considerarmos que o Japão tem feito iniciativas para aumentar o seu comércio internacional através de acordos de preferências comerciais, o Brasil tem tido uma atitude passiva ainda mais quando o comércio bilateral entre os dois países tem sido reduzido.