Chie Hanawa (Shamisen)

 

Neste sexto programa da série de concertos solo Música no Castelo, realizado pela Fundação Japão, apresentaremos o shamisen. O instrumento será apresentado pela musicista Chie Hanawa, no estilo Tsugaru shamisen, que é diferente daquele tocado pela professora Tamie Kitahara, no segundo concerto desta série.

 

Tsugaru Shamisen

Tsugaru jamisen (kanji: 津 軽 三味 線, hiragana: つ が る じ ゃ み せ ん) ou Tsugaru shamisen (hiragana: つ が る し ゃ み せ ん) refere-se ao gênero japonês da música de shamisen da atual península de Tsugaru. Muito tocado na prefeitura de Aomori, e em todo o Japão, é considerado um dos mais importantes para o repertório do shamisen.

No período Edo, a península fazia parte do domínio de Hirosaki e era governada pelo clã Tsugaru. Tradicionalmente uma das áreas mais pobres e remotas do Japão, Tsugaru é mais conhecida como o local de nascimento do escritor Osamu Dazai, que escreveu um diário de viagem sobre suas viagens pela península e sobre o Tsugaru shamisen, um instrumento local e distinto das demais cordas japonesas.

 

 

Após a derrota de Aizu, durante a Guerra de Boshin (1868), muitos dos últimos samurais foram enviados para campos de prisioneiros de guerra, na península de Tsugaru.

Embora seja claro que o instrumento se originou da China, chegando em Okinawa no século 16 d.C., os construtores específicos do Tsugaru shamisen não são conhecidos com certeza, pois os registros escritos sobre sua construção não foram mantidos, nem formalmente reconhecidos pelo governo japonês.

O que se sabe é que o Tsugaru shamisen se originou desta uma pequena peninsula a oeste da atual província de Aomori, chamada Tsugaru. Além disso, alguns pesquisadores se basearam sobre as origens do estilo com base nas evidências disponíveis. Há algum consenso de que o estilo foi desenvolvido por moradores de rua e cegos, chamados de bosama.

O estudioso Daijō Kazuo disse que o estilo se originou de um bosama chamado Nitabō, com base em entrevistas de músicos e suas famílias. De acordo com sua pesquisa, Nitabō adquiriu e modificou um shamisen em 1877, para o qual adotou um estilo de tocar diferente. Nitabō arredondou a palheta do instrumento de forma que tivesse a forma de uma colher de arroz em forma de pazinha. Além disso, adotou um estilo de tocar com o shamisen na posição vertical, incluiu a área ao redor do cavalete como área de tocar e incorporou batidas percussivas nas cordas, em contraste com o uso exclusivo do plectro. No entanto, outros estudiosos argumentam que, devido à falta de documentação, o relato apresentado por Kazuo pode não ser totalmente preciso.

 

 

Nitabō teve vários alunos cegos, como Kinobo e Chōsakubo, que contribuíram para o desenvolvimento do estilo. O último aluno de Nitabō, Shirakawa Gunpachirō, se apresentou fora da região de Tsugaru, como parte de um grupo de apresentações folclóricas. Gunpachirō também se apresentou em ambientes profissionais, como em salas de concerto em Tóquio. Como resultado de seu sucesso, o Tsugaru shamisen se tornou popular na década de 1920, mas sua popularidade diminuiu com o início da Segunda Guerra Sino-Japonesa no final da década.

Entre 1955 e 1965, muitos artistas do gênero se mudaram para centros urbanos no Japão, como Tóquio. Esta migração foi parte de um movimento maior, devido ao sucesso das artes tradicionais no Japão. O Tsugaru shamisen desfrutou de outro período de sucesso e popularidade quando Gunpachirō se apresentou com a estrela do enka, estilo de música popular japonesa, Michiya Mihashi, no Teatro Nacional de Tóquio, em 1959. Como resultado dessa exposição em massa ao gênero, começaram a surgir jovens praticantes do gênero.

Takahashi Chikuzan, também um bosama, artista altamente considerado do gênero, começou a viajar pelo Japão em 1964. Em fevereiro de 2004, foi lançado o filme Nitaboh, sobre a história desse mestre em Tsugaru shamisen, dirigido pelo diretor Akio Nishizawa.

 

© WAO! World

 

O Tsugaru shamisen é tocado em um shamisen maior, chamado “futazao”, com um braço e cordas mais grossas do que aqueles usados ​​na maioria dos outros estilos. É fácil de reconhecer por sua característica percussiva: a palheta golpeando o corpo do instrumento e a cadência dos ritmos executados.

Esse estilo de tocar é composto por muitas frases e estilos distintos. Na técnica acrobática (kyokubiki), improvisar é a característica principal. O músico golpeia as cordas e a pele com o bachi (plecto) com muita força e rapidez usando apenas o indicador esquerdo e o dedo anular. A escala é basicamente pentatônica (do, re, mi, sol, la).

Outra técnica exclusiva do estilo Tsugaru shamisen nos últimos anos é o tremolo, um tipo de vibrato tocado com as costas do bachi, sem atingir a pele.

Ao contrário da maioria das outras músicas japonesas, algumas peças de Tsugaru shamisen estão em compasso ternário 3/4, embora as três batidas dos tempos não sejam acentuadas na maneira da música ocidental, ou seja, não tem o acento de uma valsa, por exemplo.

O repertório do Tsugaru shamisen é grande e em constante crescimento. Entrevistas com artistas notáveis, ​​como Takahashi Chikuzan e Yamada Chisato, e gravações feitas por estrelas do passado permitem que se produzam duas formas. A forma de canção, que consiste em uma linha vocal com acompanhamento de shamisen e taiko, ou como uma peça solo de shamisen.

 

 

Recentemente, músicos mais jovens têm tentado combinar estilos ou motivos de tocar Tsugaru shamisen com jazz, rock e outras formas de música mais comercial. Com exceção dos arranjos classificados como “shin min’yō” (novo folclore), essas peças são geralmente consideradas tradicionais ou folclóricas.

 

Chie Hanawa (Tsugaru shamisen)

 

 

Nascida na cidade de Hitachi, província de Ibaraki, aos 9 anos de idade iniciou o aprendizado de Tsugaru shamisen, com o mestre Mitsuyoshi Sasaki. Em 2000, aos 17 anos, tornou-se a mais jovem a conquistar o prêmio do Nível A na categoria feminina do Concurso Nacional de Tsugaru shamisen.

Em 2004, durante a graduação no Curso de Música Tradicional Japonesa do Departamento de Música da Universidade de Belas Artes de Tóquio, lançou seu primeiro álbum, Tsuki no Usagi (Coelho da Lua), pela Nippon Columbia. A partir daí, passou a se apresentar em casas de espetáculos da região, dando início a uma carreira solo e de grupo.

Além do trio YUI, integra o duo Hanamas, ao lado da violinista Natsumi Okimasu. Com a repercussão de sua atuação, apresentou-se no Tokagakudo Concert Hall, no Palácio Imperial, e no exterior, em países como Alemanha, Argentina, Bélgica, Brunei, Chile, Estados Unidos, França, Geórgia, Hong Kong, Itália, Malásia, entre outros.

 

 

Já com forte reconhecimento no universo da música japonesa tradicional, também como musicista de Tsugaru shamisen, participou de comerciais para televisão. Em fevereiro de 2014, lançou seu segundo álbum, CoLoRful, pela King Records.

 

Músicas

Tsugaru-Yosare Bushi

Podemos considerar esta composição como uma música para esquecer algum desejo. Por exemplo, estar com fome e tocando, o desejo é de esquecer e continuar tocando sem se importar com a situação.

 

Tosa-no-sunayama

A cidade portuária de Tosa foi destruída pela enchente em uma noite, criando-se uma montanha de areia. Esta canção traz o desejo de que essa montanha de areia seja transformada em uma montanha de arroz, para alimentar os atingidos pela enchente.

 

Tsugaru-Jongara Bushi

Canção folclórica mais famosa do Tsugaru shamisen, uma versão improvisada, como jazz. Inserção de uma frase da música “Sakura Sakura”, com arranjo original de Chie.

 

Akita-Nikata Bushi

A canção folclórica da prefeitura de Akita, tem um sentido de ritmo compassado e contínuo.

 

Experience

Composição de Chie para o comercial de TV da SONY “Xperia”, em que gravou e participou com atriz. A ideia foi a fusão do tradicional com a inovação.

 

 

Assista a apresentação de Chie Hanawa no projeto Música no Castelo.

 

SITE OFICIAL CHIE HANAWA